Blog dedicado à unidade curricular de Jornalismo Televisivo da Universidade Lusófona do Porto

Quarta-feira, 03 de Junho de 2020

Pivô: Enem ainda sem data definida, os participantes deverão sugerir uma data em questionário.

audio propaganda: E se uma geração de novos profissionais fosse perdida? Médicos, enfermeiros, engenheiros, professores. Seria o melhor pro nosso país?

Voz off 1: O governo brasileiro anunciou que o Exame Nacional do Ensino Médio aconteceria normalmente. O país é hoje o mais afetado pela pandemia da Covid-19. 

testemunho 1: Eu seria a primeira pessoa da minha família, daqui de casa, a entrar na faculdade. Minha mãe vende marmitex e não é sempre que a gente tem dinheiro pra colocar internet pra poder estudar.

Voz off 2: As escolas estão fechadas. E parte dos alunos não tem acesso à Internet. Mas apesar da distância, houve quem quisesse ajudar. O professor Bruno Rangel faz parte da Ubuntu e explica como funciona.

testemunho 2: Uma iniciativa de professores voluntários, que acreditam que a gente consegue alterar o realidade das pessoas. Nosso público são mulheres, negras, com renda familiar de até um salário mínimo. A gente ligou, de um por um, pra saber o que eles precisavam.

Voz off 3: As necessidades são muitas. Desde livros e computadores. À ambiente seguro e estabilidade familiar.

testemunho 3: A gente precisa de estrutura né, porque a gente não tem. Principalmente aluno de 3º ano e de baixa renda.

Vivo: Foram feitas muitas manifestações através das redes sociais. E um debate na câmara dos deputados. O Presidente da câmara, Rodrigo Maia, aconselhou o presidente Jair Bolsonaro para aceitar o adiamento. Em Julho, os estudantes inscritos, deverão responder a um questionário onde escolhem um novo dia para o exame. A nova data será entre 30 e 90 dias da data prevista inicialmente.

audio da propaganda: Até lá, estude! Seu futuro, já está aí.

 

Por Andreia Araújo, Beatriz Palmieri e Esperança Joaquim.

publicado por Andreia Araújo às 15:10

 

Texto pivô- O culto religioso presencial voltou. Em Rio-Mau, fizeram-se cumprir as regras de higiene e segurança, mas com poucas pessoas na primeira missa do dia. 

 

Voz off1: Passado dois meses e meio, as igrejas voltaram a abrir portas. Os fiéis aderiram com entusiasmo e os motivos, foram vários.

Vivo1 (Cândida Nogueira): “Que saudades de ouvir o sino a tocar para a missa”.

 

Vivo2 (Carlos Peixoto): “Da reflexão, de poder haver uma introspecção espiritual, e obviamente, conviver com as outras pessoas”. 

 

Voz off2: Afastados dos locais de culto, até à data, há quem tenha optado por outras alternativas.

 

Vivo3 (António Ribeiro): “Desde o momento que começou esta pandemia, eu optei por começar a ver a missa através da televisão. E sentia-me bem.”

 

Vivo4 (José Soares): "Não fiquei sem missa porque acompanhei nas redes sociais, mas presencialmente sim”.

 

Voz off3: Em Penafiel, na igreja matriz de Rio-Mau, a fé manteve-se a mesma, mas tudo o resto se alterou.

 

Vivo5 (Padre Marílio Faria): “ Máscara, distância de dois metros, os bancos também distanciados dois metros, três em cada banco, para cumprirem as regras de distância e uma família, que viva na mesma casa, podem estar todos no mesmo banco”.

 

Voz off4:  Na primeira missa de desconfinamento, a igreja esteve longe de  atingir a lotação máxima.

 

Vivo6 (Padre Marílio Faria): “Foi pena ter pouca gente. As pessoas começam a ter medo. Ainda estão muito amedrontadas”.

 

Voz off5: Embora apenas trinta fiéis tenham ido até ao local de culto, em toda a aldeia se ouviu a celebração, por meio de altifalantes.

Vivo David Soares: Por agora, espera-se que esta igreja possa voltar a acolher todos os fiéis. Bárbara Couto, David Soares e Fábio Costa, para a Universidade Lusófona do Porto. 

Realizado Por Bárbara Couto, David Soares e Fábio Costa.

publicado por Barbara Couto, David Soares e Fábio Costa às 14:51

TEXTO PIVÔ: O estado de emergência obrigou ao encerramento de quase todo o comércio. Agora, os negócios locais tentam reconquistar a confiança dos clientes e retomar à realidade.

 

VOZ OFF 1: Apesar de todas as medidas adotadas, os comerciantes acreditam que o medo é a principal razão para a ausência dos clientes.

ENTREVISTADA 1: Foi preciso instalar os desinfetantes no local. Tenho de desinfetar a porta, não posso deixá-los utilizar a casa de banho, temos de usar luvas, máscara ou viseira ou ambas. Desinfetar o material todo, as mesas, cadeiras, tudo quando a cliente vai embora para entrar a outra. Só podemos atender uma cliente de cada vez.

VOZ OFF 2: Os cabeleireiros foram dos primeiros espaços a abrir. Quase um mês depois, Rita Fernandes ainda não recuperou a clientela habitual.

ENTREVISTADA 1: Depois tivemos aqueles meses todos parados e agora na retoma, também continua muito fraco. Depois pedi o apoio para a quebra de faturação, mas os apoios são mesmo muito pequeninos.

VIVO: O regresso à normalidade tem sido difícil e as consequências para o negócio local são reais. A prioridade agora é transmitir segurança ao cliente.

VOZ OFF 3: Rui Ferreira é dono de uma lavanderia no centro do Porto. A paralisação do turismo tem trazido dificuldades ao negócio.

ENTREVISTADO 2: 90% do nosso negócio estava focado na área do turismo, nos alojamentos locais. E o que aconteceu foi que o alojamento local parou.

VOZ OFF 4: As dificuldades económicas atrasaram o pagamento de algumas encomendas. Mas mesmo assim, é preciso investir e adaptar o espaço às novas normas de segurança.

ENTREVISTADO 2: Tivemos de utilizar ainda mais prevenção - material de prevenção – nomeadamente, máscaras, acrílicos… Utilizamos também desinfetantes e aumentamos as temperaturas da lavagem das máquinas. Mas para nós o futuro é muito incerto, não sabemos se estamos a ver uma luz ao fundo do túnel ou uma luz ao fundo do poço.

publicado por Cláudia Carvalho, Soraya Évora, Diogo Rodrigues às 14:31

Texto- pivô: Os jornalistas tornaram-se alvo nas manifestações anti- racismo nos Estados Unidos da América. A polícia são os autores da maior parte dos ataques. O presidente norte americano Donald Trump acusa os media de “utilizarem o seu poder para fomentar ódio e anarquia”.

 

 

Voice over 1:  Thomas Jefferson, o terceiro presidente dos Estados Unidos da América disse que “A nossa liberdade depende da liberdade de imprensa e isso não pode ser limitado sem ser perdido”

A primeira detenção de uma equipa ocorreu em direto. O jornalista Omar Jimenez questiona várias vezes o porquê.

Vivo 1 (Omar Jimenez, repórter da CNN): “Do you mind tell me why am I under arrest? Why am I under arrest?”

Voice over 2: Mesmo exibindo a sua identificação e avisar que estava em direto. Apenas foram libertados quando foram confirmadas as credenciais.

Vivo 2 (Omar Jimenez, repórter da CNN):  “As we were reporting, we had been in verbual contact. At least, it seems with some of the police officers saying: “Where can we be?””

Voice over  3 : Em direto o caso não é único, as forças policias lançaram gás pimenta contra outras equipas de televisão.

Vivo 3 (Kaitlin Rust, repórter da Wave 3) : “Directly at us! Directly as us! Why?”

Voice over  4: “Eu sou imprensa” tem sido gritado como forma de identificação por vários jornalistas mas nem isso tem impedido os ataques e detenções.

Vivo 4 (Michael Anthony Adams,repórter da Vice News) : “I am press”

Vivo 5 (Alzo Slade, repórter da Vice News) : “ We are press, sir”

Vivo :   Com gás lacrimogéneo , gás pimenta  e até mesmo balas de borracha os ataques aos jornalistas têm levantado questões. Questões essas sobre a Primeira Emenda da constituição norte americana.

Vivo 6 (Molly Hennesy- Fiske): “We identify ourselvs as press and they fire tear gas cans on us at point blank rage.”

Voice over 5 : O jornal The Guardian noticia que pelo foram pelo menos 50 os incidentes de violência ou a impedir o trabalho dos jornalistas. As denúncias que vão surgindo nas redes socias levam a crer que o número é bem maior.

Reportagem de: Eduardo Santiago Vinuesa, Gabriela Marques da Silva, María Peciña León

 

publicado por Gabriela Silva |Eduardo Vinuesa |María León às 14:30

Texto pivô: A utilização de máscaras e luvas cresceu nos últimos meses. Esta é uma das consequências da covid-19 no mundo.

Vivo: os oceanos estão agora inundados de acessórios de proteção individual. O descarte irresponsável traz consequências severas para um ecossistema em desequilíbrio.  

Entrevistado 1: só na nossa última visita, no dia 28 de fevereiro, é que começamos a reparar nas máscaras cirúrgicas que as pessoas estão a usar agora, com o surto de coronavírus. E começamos a reparar que estas máscaras surgiram nas praias em grandes quantidades. Só naquele dia contamos 60 ou 70, só neste pequeno trecho de praia. E isso foi bastante alarmante para nós. Os resíduos marinhos não são apenas uma ameaça para nós, mas também para os animais neste ambiente.

Vivo: máscaras, luvas, latas e plásticos vêm agravar uma realidade há muito discutida. A somar à poluição ambiental, aumenta-se o risco de contágio.

Entrevistado 2: aquela pessoa pode ter tossido para a máscara ou ter um corrimento do nariz e é preciso ter cuidado para não lhe tocar. Pode tentar ser um bom cidadão e limpar o lixo dos outros e corre o risco de se infetar.

Entrevistado 3: se pena que algo está contaminado, deixá-lo para os outros é a coisa mais egoísta que pode fazer.

Vivo: a forma mais simples de evitar este tipo de problemas é a substituição de máscaras descartáveis por máscaras reutilizáveis. São acessíveis, descontraídas e acima de tudo, amigas do ambiente. Gabi Araújo, Sara Alves e José Mendonça, Universidade Lusófona do Porto.

 

publicado por Sara Alves às 13:29

Texto pivô: A companhia irá voltar ao ativo após meses em confinamento. Várias regras e procedimentos foram estipulados para este regresso.

Entrevistado 1 – “Que é o facto de muitas pessoas terem ficado sem os seus trabalhos e aqui não é diferente. Muitos colegas infelizmente perderam o seu posto de trabalho.”

Voz off 1 - A companhia regressou ao ativo no dia 1 de junho. Os Ordenados cortados e férias prolongadas são algumas das consequências devido à Covid-19.

Entrevistado 1 – “Eu já estou sem trabalhar à mais ou menos 2 meses e à partida só irei retornar ao trabalho em Julho. O que significará mais de 3 meses sem trabalhar. O que custa, custa muito para uma pessoa que está habituada a estar sempre a trabalhar.”

Voz off 2 - O uso de máscara e luvas será obrigatório nos aeroportos e dentro dos próprios aviões.

Entrevistado 2 – “Incluindo passageiros e os tripulantes, temos todos que usar máscara e na Ryanair eles vão oferecer-nos a máscara e também o álcool-gel para a mão. Para desinfetarmos sempre que nos lembrarmos, porque é mesmo assim que tem que ser”

Voz off 3 - A incerteza e o receio são palavras que marcam o dia-a-dia dos tripulantes de voo.

Entrevistado 3 – O maior receio e maior preocupação agora na retomada dos voos é continuar contendo esse vírus. Barrando o vírus.”

Voz off 4 – Apesar das indicações dadas pela companhia de que iriam retomar os voos a 1 de Junho. As datas apontadas pelos tripulantes diferem.

Vivo - Tentando voltar à normalidade a companhia lowcost reinicia 90 das suas rotas. Uma reportagem de Sara Silva para Universidade Lusófona do Porto.

Reportagem: Sara Silva

publicado por Sara Silva às 11:49

Texto Pivô: Realizou-se no Porto uma recolha solidária. A Igreja Nossa
Senhora de Fátima recolheu mais de 2 toneladas de produtos.

Voz off 1: Nos dias 24 e 25 de Maio foi organizada uma recolha solidária. A Igreja Nossa
Senhora de Fátima abriu as portas entre as 10h e as 20h da noite. O objetivo
foi encher os bancos de cabazes com alimentos não perecíveis e produtos de
higiene. Desinfetar as mãos à entrada, o uso de máscara e luvas foram
medidas obrigatórias. Em 5 horas metade dos lugares já estavam cheios.

Entrevistado 1: "Vim hoje cá deixar alguns alimentos. Acho que efetivamente é um movimento que nesta época que estamos a desconfinar também não nos podemos esquecer de desconfinar também os nossos corações. Continuar a ajudar e a perceber o quão essencial é neste momento darmos o nosso contributo uns aos outros."

Voz-off 2: Dar o contributo ao outro. Vários voluntários tornaram esta ajuda possível.

Entrevistado 2: "Estamos aqui numa recolha de alimentos e de bens de higiene. Ajudarmos a enchermos a igreja. E cada um dos lugares que as igrejas que tem estado vazias todo este tempo possam fica cheios com cabazes que permitam ajudar familias."

Voz-off 3: Em 48 horas a igreja ficou preenchida de cabazes.

VIVO: Foi aqui na Igreja Nossa de Fátima no Porto, que mais de 2 toneladas de
alimentos e produtos de higiene foram recolhidos para apoiar instituições que
estão a ajudar as famílias mais carenciadas em tempo de pandemia.
Uma reportagem de Catarina Aires, Inês Silva e Vânia Maio para a universidade
Lusófona do Porto.

Realizado por Catarina Aires, Inês Silva e Vânia Maio

publicado por Catarina, Inês e Vânia às 11:05

Texto Pivô: Não é apenas o aumento do preço do ouro que tem prejudicado a arte da ourivesaria. Também a Covid-19 tem impedido a produção e a exportação.

Voz off 1: Esta é a cor final. A cor final da obra.

Voz off 2: Gondomar é a capital do ouro. A tradição por de trás da arte da ourivesaria, já não é a mesma coisa. Atualmente, há cada vez menos procura, devido ao aumento do preço do ouro.

Entrevistado: A partir da década de 80, que já foi quando eu e o meu irmão entramos para esta oficina, e metemos mais dois ou três empregados começou a desenvolver mais, também os mercados eram outros e fizemos novos clientes.

Vivo jornalista: Apesar da grande tradição, a produção e venda da ourivesaria tem vindo a diminuir, nos últimos anos.

Devido à Covid-19, este negócio tem vindo a piorar.

Entrevistado: A Covid-19 estragou-nos mesmo muito o nosso artigo. Porque o nosso artigo 90% é vendido para turismo, e com a Covid o turismo neste momento não está a entrar e não estou a ver quando isto começa a rolar.

Voz off 3: A empresa António Martins de Castro & Filhos, aberta desde 1965, para pela primeira vez a produção de peças. Estão todos em Lay-off e sem qualquer tipo de encomenda.

O ano 2020 não está a correr como planeado.

Entrevistado: Finais do ano de 2019, início do ano 20 nós até estávamos a trabalhar muito bem em prata, estávamos até a fazer alfinetes de folha e margarida. E eu até comentei com o meu irmão: “Oxalá isto continue…" e em março aparece isto da pandemia.

Voz off 4: A dependerem do turismo e da exportação, acredita que o setor da ourivesaria será dos últimos a recuperar a normalidade. Ao mesmo tempo, o preço do ouro continuará a ser um dos maiores desafios para o negócio.

publicado por Andreia Oliveira; Gisela Silva; Marta Oliveira às 01:25

Feito por João Pimenta, Jordânia de Cassia e Eduardo Carvalho 

Pivô: Os Centros Comerciais reabriram hoje, com exceção da grande Lisboa. As medidas foram
tomadas para garantir a segurança dos visitantes.


Voz-off 1: A terceira fase de desconfinamento permitiu a reabertura dos centros comerciais. As
lojas possuem agora capacidade limitada, de 3 a 50 pessoas por vez. A área da restauração foi
reduzida a 50%. A utilização de álcool em gel na entrada e no interior do shopping é indispensável.

 

Vivo: Após quase 3 meses de portas fechadas, o Outlet de Vila do Conde reabre com um grande
fluxo de pessoas.


Entrevistado 1: O shopping tem tomado as medidas de segurança, pelo menos
é o que eu vejo.. Estava ansioso para a reabertura, fazia três meses que estava em casa e uma
pessoa sempre na mesma rotina. Mesmo que não seja pra comprar nada é algo diferente.


Voz-off 2: Os adesivos no chão delimitam a distância recomendada. Seguranças fazem rondas para
garantir o cumprimento das normas da Direção Geral da Saúde.


Entrevistada 2: Temos tido muita gente no shopping, as caixas na minha loja,
neste momento, estão limitadas e o número de entrada é de 46 pessoas.


Voz-off 3: Nesta época do ano o Outlet costumava estar ainda mais cheio de clientes, nacionais e
estrangeiros, mas agora tem que se adaptar à nova era do Covid-19.

publicado por João Pimenta às 00:44

mais sobre mim

Agustina Uhrig Raquel Batista

Ana Luísa do Vale

Ana Martins

Ana Miranda

Ana Miranda

Ana Ribeiro

Ana Rita Azevedo

Ana Rita Azevedo

Ana Rita Castro e Mara Craveiro

Ana Silva

Ana Sofia Silva

Andreia Araújo

Andreia Oliveira; Gisela Silva; Marta Oliveira

Andreia Resende

Barbara Couto, David Soares e Fábio Costa

Barbara Viana da Mota

Beatriz Sousa

Beatriz Walviesse Dias

Bernardo Monteiro

Bernardo Monteiro

Bárbara Dias, Luana Teixeira, Sofia Coelho

Bárbara Dixe Ramos

Bárbara Oliveira

Bárbara Viana da Mota

Catarina Almeida

Catarina, Inês e Vânia

catarinarocha

Cláudia Carvalho, Soraya Évora, Diogo Rodrigues

culturaulp

Daniel Dias | Eduardo Costa | João Rocha

Daniel Gonçalves

Daniela Couto, Marta Andrade, Raúl Gaspar

danipinojtv

David Sancho

david_9

Diana Alves

Diana Ferreira

Diana Nogueira

Diana Pinheiro

Diogo Moreira

Débora de Sousa

Eduardo Costa

Esperança Joaquim

Esther Egea

fabio

Filipa Coelho

Francisca Rodrigues

Gabi Araújo

Gabriela Bernard, Inês Fernandes e Rafael Moreira

Gabriela Ferreira

Gabriela Silva |Eduardo Vinuesa |María León

Guilherme Cardoso

guillealonsof

Inês Fernandes

ivaniadcardoso

Joana Oliveira

Joana Vieira

joaovieiraallan

jornalismotv

jornalismovanessacunha

João Pimenta

João Tavares

Juliana Neves

Juliana Pinheiro

Jéssica Rocha

Leonor Ferraz

Lisandra Valquaresma

Lourenço Lopes

Lúcio Gomes Correia

Mara Craveiro

Maria Ferreira

Maria Flambó

Maria Inês Moreira

Maria João Silva

Marta Andrade

MartaBm

MaríliaGonçalves

Nádia Santos

Palmieri

Patrícia Dias

Patrícia Sofia Pereira

Pedro Faria

Pedro Lorador

Q'queres Morcão?

Rafael Oliveira

Rayne Fernandes

Renata Andrade

Ricardo Marques

Rita Silva

Rosária Gonçalves

Rui JM Fernandes

Sara Alves

Sara Calafatinho

Sara oliveira

Sara Silva

sessaomeianoite

Soraya Évora

Susana Moreira

t0pas

taniaduraes

TF

Tiago Ribeiro

Tiago Sá Pereira

vanessasanogueira

Vicente Garim

pesquisar
 
Junho 2020
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
12
13

14
15
18
19
20

21
22
23
24
27

28
29
30


Últ. comentários
Bom dia aos autores deste blog,Querem a ajuda da e...
https://verdade-rigor-honestidade-diferente.blogsp...
Os portistas estavam muito confiantes, mas este nã...
subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro