Blog dedicado à unidade curricular de Jornalismo Televisivo da Universidade Lusófona do Porto

Quarta-feira, 26 de Abril de 2017

Texto-Pivô: World of Discoveries é o nome do museu interativo, no Porto. Um passeio à descoberta da época dos Descobrimentos português é a promessa feita aos visitantes. 

 

 

VO - Foi inaugurado no início de 2014, mas o sucesso tardou a chegar ao museu World of Discoveries. São poucos os turistas que visitam o espaço mas os que o fazem, ficam rendidos com a interatividade que o museu apresenta. Numa cidade dominada pelos monumentos históricos e emblemáticos, tal como a Torre dos Clérigos, há que quebrar barreiras e inovar.

Entrevistado 1 - Achei que é um museu interessante, que já fazia falta à cidade e que traz um novo conceito... Um pouco diferente do que é habitual.

Entrevistado 2 - Achei este museu super interessante porque dá para mostrar de uma forma bastante interativa, principalmente aos miúdos mais novos, uma grande parte de como Portugal se tornou no país que é hoje.

VO - World of Discoveries apresenta aos visitantes formas interativas de conhecer o percurso português na época dos Descobrimentos. Os visitantes podem integrar-se no espaço, percebendo como viviam os marinheiros nas caravelas. 

Entrevistado 3 - Nós temos uma parceira com o World of Discoveries, como com todos os outros produtos que vendemos aqui. É um produto que normalmente é procurado por turistas, quer sejam portugueses ou estrangeiros, que venham já com indicações e procuram-nos para ir visitar. Ou então, vêm aqui a publicidade e pedem a informação.

VO - O museu dispõe de um espaço para exposições temporárias e itinerantes. É possível ainda organizar aniversários, eventos corporativos e conferências. O World of Discoveries fica localizado junto à Alfandêga do Porto, tendo por isso um problema relacionado com a acessibilidade. 

 

Maria Inês Moreira e Maria Inês Pinho

publicado por Maria Inês Moreira às 00:03

Quarta-feira, 19 de Abril de 2017

Texto-pivô: A Torre dos Clérigos, no Porto, recebeu o mais importante Prémio da União Europeia: Prémio Nostra 2017.

 

VO- É um dos edifícios icónicos da cidade do Porto. A Torre dos Clérigos e as 197 escadas possíveis de subir, deliciam todos os turistas que por lá passam.

Entrevistado 1 – É um momento histórico. Portanto tem o seu marco na cidade do Porto. Portanto é um dos marcos importantes aqui na cidade.

Entrevistado 2 – Os guias do Porto e só vamos ficar por uns dias. É um dos sítios que recomendam visitar.

Entrevistado 3 – Porque é famosa. É a mais famosa. É o lugar mais atrativo dos guias turísticos.

VO – Entre 202 candidaturas, a Torre dos Clérigos é um dos 29 monumentos vencedores do Prémio Nostra 2017, atribuído pela União Europeia.

Entrevistado 4 – Fizemos estas obras profundas que permitiram não só receber melhor as pessoas mas também ajudar a divulgar melhor este monumento.

Entrevistado 4 – Este Prémio ainda não teremos o reflexo recente mas de facto é o primeiro Prémio internacional.

VO – A Torre dos Clérigos foi distinguida pelo exemplar contributo em conservação, investigação e serviço dedicado ao património. Tudo isto auxiliado pelas obras que o edifício sofreu em 2014. O Prémio teve também em conta a relação com os restantes monumentos históricos.

 

Maria Inês Moreira e Maria Inês Pinho

publicado por Maria Inês Moreira às 11:43

Terça-feira, 18 de Abril de 2017

Andreia Resende e Sara Oliveira

 

Texto-pivô: O Museu das Marionetas conta com a história de várias personagens. Este espaço, situado no Porto, é um museu de autor que pertence à companhia de teatro.

 

 

Voz off1: É neste museu que os mais novos veem a magia das marionetas acontecer. Nas visitas guiadas conseguem aprender as técnicas para mexer numa personagem.

 

Vivo entrevistado 1: “Não sabíamos que as marionetas que víamos eram manipuladas assim”.

 

Vivo entrevistado 2: “Nunca tinha visto o aspeto interior das marionetas. Não sabia os vários tipos de marionetas e agora já compreendo melhor”.

 

Voz off 2: As personagens não são sempre as mesmas. Mas há vários espetáculos que estão em exposição.

 

Vivo entrevistado 3: “O teatro Dom Roberto, o Joanica Puff, Alice no País das Maravilhas, o Pulgarzinho, o Lobo Diogo e o Mosquito Valentim, Cabaret Molotov, tem os Encantos de Medeia

 

Voz off 3: Algumas marionetas costumam sair do museu para pisarem o palco. De norte a sul do país são vários os locais por onde passam.

 

Vivo entrevistado 3: “Este fim de semana estiveram em Lagos, vamos apresentar agora um espetáculo na Maia. Depois temos aqui mesmo no Porto, no Teatro da Vilarinha, em junho e no Teatro de Nevogilde, no estúdio 400, agora em abril”.

 

Voz off 4: É entre fios, varas e luvas que as marionetas são comandadas para ganharem vida.

publicado por Sara oliveira às 23:07

Texto-pivô: São vários os museus, monumentos e edifícios espalhados pelo Porto que não constam nos mapas turísticos. Há muito que fica por descobrir.

VO- Como em muitas das grandes cidades, também no Porto há um sistema. Os guias turísticos, mapas e sites recomendam os mesmos locais. O turista que visita o Porto não conhece o outro lado da cidade.
Entrevistado 1- O que nós recomendamos é a estação de São Bento porque tem os azulejos característicos da cidade, aqui ao lado a Sé Catedral, também é bastante visitado.
Entrevistado 1- O mercado do Bolhão porque os turistas perguntam muitas vezes quais são os produtos típicos portugueses e é ótimo para eles perceberem. O café Majestic também tem uma história importante no Porto. A Rua de Santa Catarina.
VO- Edifícios antigos que pelo significado histórico têm destaque nas visitas ao Porto. Os turistas não fogem à regra. Independentemente do caminho, o destino é sempre o mesmo.
Entrevistado 2- Porque é famosa. É a mais famosa. É o lugar mais atrativo dos guias turísticos.
Entrevistado 3- Os guias do Porto e só vamos ficar por uns dias. É um dos sítios que recomendam visitar.
Entrevistado 4- O mapa turístico é muito importante para nós.
VO- A cidade do Porto está repleta de museus, monumentos, igrejas e muitos outros locais ofuscados pelos conhecidos edifícios. Um ciclo viciado numa presumida sustentabilidade turística.
Vivo do Jornalista 1- São muitos os sites, mapas e guias turísticos que aconselham sempre os mesmos lugares da cidade do Porto. Mas ainda há muito por descobrir. Grandes investimentos que são necessários de readaptar nos atuais guias turísticos. Maria Inês Pinho para a Universidade Lusófona do Porto.

 

Maria Inês Moreira e Maria Inês Pinho

publicado por Maria Inês Moreira às 16:33

Quinta-feira, 13 de Abril de 2017

Filipa Coelho e Rita Silva

 

Texto Pivô: As ferragens antigas são cada vez menos produzidas em Portugal. É na rua do Almada, no Porto, que a loja Rocha e Leitão mantem alguns exemplares.

 

Voz Off 1: Catarina, estudante de Design de Joalharia vem a este espaço encontrar material específico para o seu curso.

Vivo 1: Chapas, fios, algumas peças mais pequenas que são requeridas para o meu trabalho. Encontras sempre aqui tudo o que precisas? Sim, normalmente… Até agora, sim.

Voz Off 2: Apesar da escassez de ferragens antigas, o estabelecimento é dos poucos que exporta para toda a Europa.

Vivo 2: Aí é mais as ferragens antigas, porque lá fora não há. Vai havendo, temos um mercado que não é o nosso dia-a-dia mas já fizemos várias exportações. Desde a parte Norte da Europa, para a Suécia, até á Itália.

Voz Off 3: Há uma queda das vendas. O aparecimento dos produtos chineses leva as pessoas a comprarem mais barato. É um pequeno grupo que procura as ferragens antigas.

Vivo 3: Ainda temos alguma procura de ferragens antigas sobretudo para remodelações. Nós aqui no grande Porto por causa do turismo, sentimos essa procura. Agora, referências e modelos muito mais antigos é cada vez mais difícil, porque são clientes muitos específicos.

Voz Off 4: Uma loja com 35 anos, que tem de se adaptar para manter o negócio de pé.

publicado por Filipa Coelho às 21:38

Quarta-feira, 05 de Abril de 2017

Filipa Coelho e Rita Silva

 

Texto Pivô: Há um espaço de exposição gratuita no Porto, que os portuenses desconhecem. A Culturgest, pertencente à fundação da Caixa Geral de Depósitos está de portas abertas durante todo o ano na Avenida dos Aliados.

 

 

Voz Off 1: Desde 2002 que a Culturgest está na baixa do Porto. Mas ainda são poucos os que conhecem este espaço.

Vivo 1: Não é por falta de tempo, visto que estou reformado. Mas passo aqui muitas vezes, eu acho que esta exposição está…eu não vejo quase ninguém a entrar aqui e passo sempre aqui para ir ao café todos os dias. Eu acho que esta devia estar, para falar em português à moda daqui está mal propagandeado.

Vivo 2: Certo…Já soube da existência do espaço, sendo que nunca tive oportunidade de o visitar, visto que também uma pessoa passa aqui de uma forma sazonal. E não considero que seja um espaço de visibilidade quanto à exposição Culturgest em si.

Vivo 3: Reparar, eu reparo porque gosta das coisas antigas. Mas de resto mais nada.

Voz Off 2: Apesar da grande diversidade de exposições, o espaço já contou com concertos e outros eventos. Com uma gestão anterior por parte do Capital Porto 2001, este local é agora visitado por um público específico.

Vivo 4: Eu acho que é muito abrangente confesso…inicialmente quando vim para aqui achei que se calhar ia chamar mais pessoas da área, artistas, professores, e de facto também é um público que nós temos mas não posso dizer que é o público maioritário. Acho que é muito abrangente, e de à uns anos para cá temos tido também muitos turistas o que é normal com todo este boom da cidade, toda esta explosão de turistas da cidade, nota-se uma frequência maior de turistas na galeria. Mas acho que é muito transversal, é um público muito transversal.

Voz Off 3: As opiniões divergem mas o local já tem programação definida e não tenciona encerrar.

 

 

 

 

 

 

publicado por Filipa Coelho às 15:03

Texto Pivô: Casa da Horta es una asociación cultural localizada cerca de Ribeira. Es un espacio de encuentro donde se organizan multitud de actividades y cursos. Dispone, a su vez, de un bar y otros productos ecológicos a la venta.

 

 

Voz Off 1: Casa da Horta tiene una agenda llena de planes alternativos para casi todos los días. Los más frecuentes son los intercambios lingüísticos, pero tambien puedes asistir a debates, conciertos y cursos. Tambien tienen a la venta productos locales y comida vegetariana.

 

Entrevistado 1: “ Casa da Horta es una asociación cultural y tenemos comida, actividades culturales, Comida vegetariana y vegana”

 

Voz Off 2: Los intercambios de lenguas disponibles son portugués, alemán e italiano. Se reúnen varias personas con un profesor voluntario. Los participantes hacen juegos, hablan entre ellos en ese idioma y leen textos para fortalecer sus conocimientos del idioma.

 

Entrevistado 2 : “ Por ejemplo organizamos intercambios de lenguas. Italiano, portugués y alemán, tuvimos francés pero cualquier lengua es bienvenida. La única cosa es que el profesor es voluntario, o nadie es profesor solo hay voluntarios”

 

Voz Off 3 : Estas actividades son beneficiosas especialmente para los estudiantes erasmus. Muchos acuden a Casa da Horta para aprender portugués y conocer gente nueva.

 

Entrevistado 3: “Aquí es un lugar donde puedo conocer gente de muchos paises y a la vez practicar portugués que me viene bastante bien”

 

Entrevistado 4: “Yo llevo aquí en Portugal desde enero y claro, el idioma antes de venir aquí no lo he practicado mucho y me cuesta socializar, por eso vengo aquí porque puedo encontrar otros compañeros erasmus Internacionales, puedo mejorar mi inglés y puedo aprender portugués”

 

Entrevistado 5: “Casa da Horta es un sitio maravilloso, en el conocí muchos amigos y organizan muchos eventos, por ejemplo para aprender idiomas. Yo voy con frecuencia porque deseo aprender portugués, además por ser italiano comprendo la mayoría de las palabras…”

 

Voz Off 4 : Gracias a esta asociación podemos conocer Porto de una forma alternativa.



publicado por Esther Egea às 14:25

Terça-feira, 04 de Abril de 2017

Andreia Resende e Sara Oliveira

 

Texto pivô: O tempo das retrosarias está a terminar. A costura é o ponto chave destas lojas.

 

 

Voz Off 1: Entre linhas, tecidos e botões é assim que vive uma retrosaria. São poucas as pessoas que as frequentam.

Entrevistado 1: “Não costumo frequentar mas gosto muito, porque faz-me lembrar os meus avós, a minha mãe, tudo isso… o que é antigo.”

Entrevistado 2: Costuma frequentar retrosarias? “Não muito, mas gosto. Gosto de dar, muitas vezes com peças de roupa, e gosto de dar o meu toque pessoal e então por acaso estou aqui agora a ver este fio dourado e estava a pensar aplicar numas calças que tenho pretas, que acho que ia ficar giro.”

Voz Off 2: Para muitos é um lugar desconhecido. Porque nem todos sabem o que é.

Entrevistado 3: “A retrosaria é um local onde se vende malhas, linhas, tecidos, tudo o que há no universo têxtil, tudo de acessórios de costura é vendido numa retrosaria. Lãs, algodão…”

Voz Off 3: Paula Assucena aponta um dos fatores para a decadência das retrosarias.

Entrevistado 3: “As retrosarias estão a acabar. A maior parte delas fecharam. Porque as pessoas compram tudo feito. Antigamente as pessoas compravam os panos para fazer os vestidos para as filhas, para as netas. Compravam fios em croché para fazer os panos em casa. Hoje em dia as pessoas vão às lojas e compram já quase tudo feito. Roupa ou seja o que for.”

Voz Off 4: É com criatividade e originalidade que as retrosarias ainda se mantêm no mercado.

publicado por Sara oliveira às 21:02

pesquisar
 
Abril 2017
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
14
15

16
17
20
21
22

23
24
25
27
28
29

30


Últ. comentários
https://verdade-rigor-honestidade-diferente.blogsp...
Os portistas estavam muito confiantes, mas este nã...
subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro